domingo, 21 de julho de 2013

SIAMESES


SIAMESES

Agora que o teu corpo
se entorna pelo meu
numa transfusão feliz,
não há longes, 
nem distâncias,
nem tão somente ausência.
Existe um só corpo,
o nosso corpo.
Um só espírito,
o nosso espírito.
Não és só tu,
nem sou só eu,
somos nós.
Assim, como siameses,
mergulhados no leito
do nosso ventre gémeo, 
alimentados pelo cordão umbilical
do Amor.

                                                  Pg. 73, do meu livro de Poesia com o título "Redes", 2009, Zaina Editores.