domingo, 18 de novembro de 2012

APRESENTAÇÃO DO LIVRO "O PESO DAS GORDAS"

APRESENTAÇÃO DO LIVRO "O PESO DAS GORDAS - porque qualquer Mulher é muito mais do que um corpo", na Biblioteca Municipal da Chamusca. Dia 17/11/2012, pelas 15:30 horas.

Foi mais um momento feliz, por ter sido possível falar sobre a Mulher. Não a mulher virtual formatada pelo desejo social, mas aquela que é a Mãe, a Amiga e a Companheira. Aquela que sofre o preconceito de ser tão naturalmente Mulher.







Agradecimentos à Câmara Municipal da Chamusca, a todos os presentes, ao Carlos Petisca e à Vera Oliveira pela sua excelente interpretação teatral, à minha mulher pela sua colaboração e Amor e ao Dr. João Aranha pela sua Amizade e apresentação do livro.




domingo, 11 de novembro de 2012

LIVRO O PESO DAS GORDAS - CAFÉ COM LETRAS

O PESO DAS GORDAS - Porque qualquer Mulher é muito mais do que um corpo.

Café com Letras, na Livraria Mensagem Aberta em Vila Franca de Xira, em 10/11/12


    Castanhas assadas, água-pé, amêndoas, nozes, figos secos, chá, café e um pedaço de conversa.
Assim decorreu uma excelente tarde, sem complexos, preconceitos ou pressões calóricas, a dialogar sobre este meu último livro.
    Agradeço aos presentes o estupendo momento que me proporcionaram e a possibilidade que criaram de falarmos sobre um tema que, afinal, para muitas mulheres e sobretudo para a sociedade continua a ser um enorme tabu.

domingo, 28 de outubro de 2012

COMENTÁRIOS DE LEITORES AO LIVRO "O PESO DAS GORDAS"

"O PESO DAS GORDAS - porque qualquer Mulher é muito mais do que um corpo."

Comentários de alguns leitores





"Os motivos que levam “as gordas” a tentar emagrecer quase nunca são motivados pela busca de mais saúde. Limitam-se a tentar seguir um estereótipo de padrão de beleza que alguém se lembrou de institui como sendo certo. A maior parte delas não se ama o suficiente para tomar decisões por si e única e exclusivamente para o seu bem-estar. Ser gorda é muitas vezes um problema de foro psicológico, vê-se gordura onde nem sequer existe. Este livro retrata de forma clara e simples os estragos que a gordura psicológica provoca nas mulheres obcecadas pelo corpo que nunca chegarão a ter. Carlos, o livro está maravilhoso. É o retrato perfeito de tantas mulheres com quem lidamos diariamente e que nunca conseguirão ser felizes porque simplesmente não se respeitam enquanto pessoa. Parabéns, por mais uma brilhante interpretação dos sentimentos."

Maria Martins


"Gostei.

Conseguiste expressar “esse” problema maldito….

Como “magra” e como gorda vivi as diferenças dos olhos dos outros – aos gordos é dado desrespeito pela sociedade (daí o reflexo na auto-estima).

E falas de Amor… amamos, porque amamos – todas as curvas e células de alguém.

*magra não, felizmente! – e o “menos gorda” é para ser mais saudável…"

Sónia Silva


"Sem dúvida um livro muito muito bom! Foi uma delícia lê-lo. Demonstra tudo aquilo que a nossa sociedade "perfeita" deveria ser/fazer. É triste como o mais importante é o aspecto exterior! Quando, no meu ponto de vista, a magreza não é bonita de se ver. Uma mulher não é mulher nem completa se não tiver umas gordurinhas e uma celulite. Porque essas Sim! São mulheres reais. Mas enfim hoje em dia está tudo voltado para a infindável busca da beleza e perfeição exteriores. O ser humano não é só exterior. E para mim a verdadeira beleza está na alma! E essa, ninguém vê! Por isso acho que é um livro que toda a gente sem excepção deveria ler, absorver, e extrair uma lição. Parabéns sem dúvida!"

Patrícia Pais


"Há que decidir, se os homens querem uma mulher ou apenas o corpo dela para se babarem?

Se o que querem é apenas o aspecto exterior feminino, ignorando a inteligência, a sensibilidade e os sentimentos das mulheres, então é fácil resolver a situação fabricando bonecas em série!

O livro é pertinente, até porque demonstra que as próprias mulheres são cúmplices da discriminação da sociedade em relação às obesas.

Uma leitura fácil, agradável e até divertida, sobre uma realidade que merece uma profunda reflexão e outra atitude social."

A. D.




"Um Livro que merece todo o tempo que empregamos a lê-lo. Uma explosão de sentimentos. Um verdadeiro retrato do drama daqueles que não conseguem viver em paz com o seu corpo. Atual, verdadeiro, critico e sensível."

Maria Martins



“”O Peso das Gordas” da autoria de Carlos santos Oliveira, tem uma frase que me levou a escrever este texto.
“Gosto de ti como és.” Liberdade direi eu de um homem livre, pois estas coisas normalmente dizem-se, no recanto das portas fechadas. E é aqui que a leve beleza da aragem da pronúncia tem os seus ganhos.
Livro de fácil leitura, comporta-se como um hino à mulher, deixando a forma e elogiando a subtileza do complemento d’alma.
É um livro que nos apresenta o Amor com os olhos do seu autor.
Parabéns!”

Joaquim José Duarte Garrido


“A tua técnica narrativa é marcada pelo realismo e é através da expressividade da linguagem utilizada que consegues transmitir com grande intensidade o percurso e o fim dramático dos teus personagens. Acendes o espírito reflexivo necessário para iluminar consciências a fim de desconstruir padrões.
Gostei muito.”

Ana Paula Bento

           "Adorei o peso das gordas, aprecio bastante a forma como abordas os temas a tratar e admiro que o faças de uma forma simples, clara e bastante objectiva. Fiquei surpreendida por conseguires transmitir aquilo que pensas de uma forma tão frontal e sem tabus. 
Tens o dom da escrita!"

Marisa Romão



 

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

MENSAGEM DO LIVRO O PESO DAS GORDAS

O Peso das Gordas
 Porque qualquer Mulher é muito mais do que um corpo.



       O meu último livro é um olhar divertido, irónico e crítico sobre o mundo das mulheres, sobretudo das GORDAS.

      Sobre as dietas, as cirurgias de redução do estômago, as diabólicas e milagrosas torturas do emagrecimento, instigadas por uma sociedade preconceituosa que vê a mulher apenas como um corpo e um objecto de negócio.

    É, sobretudo, a manifestação de um desejo profundo que as mulheres GORDAS sejam livres, socialmente livres, livres do preconceito.

"É URGENTE O AMOR"

“É URGENTE O AMOR”




        Cada vez estamos mais sós, desencantados e desesperados por obter uma côdea de atenção, carinho e ternura.
        Chega a ser estúpido, penoso, digno de dó e piedade ver morrer por (des)Amor. O (des)Amor mata mais do que qualquer sida, guerra ou doença coronária.

Livro É Tão Fácil Morrer – Junho de 2008


        Transcorridos cinco anos e meio sobre a minha entrevista, transmitida no telejornal da RTP Açores, as mensagens veiculadas quer no vídeo, quer no texto que deu origem à reportagem, mostram-se cada vez mais actuais.
         É urgente continuar a escrever, a lutar e a preserverar pela sobrevivência do Amor, um sentimento em vias de extinção.

video


sexta-feira, 6 de julho de 2012

SOMENTE MAIS UMA ENTREVISTA

"Ao Domingo Com o Escritor Carlos Santos Oliveira"

No passado dia 02/07/2012 tive o grato prazer de ser referenciado na rubrica "Ao Domingo Com" do excelente blogue de literatura otempoentreosmeuslivros.blogspot.pt.
Abaixo tanscrevo o texto ali publicado:

"Escrever representou desde sempre, para mim, uma manifesta necessidade de comunicar.


Ainda durante a puberdade, por ser um jovem muito tímido, acalentei na escrita a possibilidade de exprimir os meus sentimentos, que vieram depois durante a adolescência a ser partilhados através da participação em concursos literários, sendo agraciado com alguns prémios e a respectiva publicação dos trabalhos. Comecei igualmente nesse período a publicar textos em jornais e poemas em colectâneas de poesia; uma delas publicada na ex-RDA (República Democrática da Alemanha).

O teatro e as viagens surgiram-me posteriormente também, como forma de comunicação e desinibição. Não só a representação, como as viagens que fui fazendo ao longo de Portugal, pela Europa e pelo Brasil, país onde me fixei durante dois anos (desenvolvendo aí alguma actividade cultural num Centro de Imigrantes Portugueses), transmitiram-me um vasto conhecimento da condição humana, preponderante na minha escrita e personalidade.

Depois do meu regresso a Portugal continuei a desenvolver actividade no campo da escrita, agora como jornalista, profissão que exerci durante alguns anos.

Com a minha ida para os Açores, Região onde vivi cerca de 12 anos, trabalhando como professor e oficial de justiça, dediquei-me, sobretudo, aos afectos e à família, apenas regressando à escrita no ano de 2008 com a publicação da obra “É Tão Fácil Morrer”, o meu primeiro livro a solo.

Seguiram-se os livros “Redes”, “Sentenças da Vida”, “A Lição do Rinoceronte” e “Os Filhos Não São Maus”.

Muitos anos após as primeiras linhas que escrevi, sei que consegui alcançar o meu objectivo principal: estabelecer um diálogo de ideias e afectos. Razão pela qual me sinto gratificado e agradecido a todos aqueles que vão lendo os meus livros e que me fazem chegar as suas mensagens críticas e de incentivo.

“Só o Amor pode salvar” é a mensagem essencial nos meus livros e sinto-a cada vez mais prioritária no seio de uma sociedade desumanizada."



sábado, 12 de maio de 2012

O MURAL DOS LEITORES

O Mural dos Leitores


    Escrever começa por ser uma necessidade da pessoa se expressar, de partilhar ideias, mensagens e sentimentos. Após ser publicado, um livro pode tornar-se um meio de comunicação. Mas só depois da interacção de emoções, de sentimentos e do diálogo com os leitores se recebe o veredicto: se de facto se é um escritor?!
    Os meus livros vivem por aí. Não me pertencem. São daqueles que os guardam na alma e no pensamento e que os acolhem nos seus corpos e nas suas casas. Por tudo isso agradeço a atenção e o carinho que lhes dedicam.
     Obrigado igualmente pelos contactos através do facebook, do e-mail, dos eventos onde participo e de todas as outras formas através das quais me fazem chegar as vossas mensagens e que mantêm os meus livros vivos.
     Sem as vossas palavras, algumas das quais abaixo transcrevo, com gratidão, jamais me seria possível saber que já partilhámos um pouco da nossa vida e do nosso caminho, movidos pela sensação de um livro.
     Parabéns, portanto, a esta obra colectiva.

“O tema dos Filhos Não São Maus é interessante para quem como eu tem filhos. Porque infelizmente há quem não se preocupe e não ache que o Amor é o mais importante.”
A.G.
  Sentenças da Vida” é a melhor lição que se pode dar aos pais principalmente desta nova geração. Acho que se todos os pais lessem o seu livro, talvez pudessem mudar um pouco as suas atitudes para com os seus filhos e teríamos certamente mais corações felizes. Adorei o livro e não me canso de o recomendar aos meus amigos, principalmente aos que são pais, ou que o tencionam ser, assim como a todos os professores e educadores dos meus filhos.”
S.F.

“Adorei o livro É Tão Fácil Morrer. Continua a escrever, és espectacular… objectivo, sintético, cativador.”
E. L.

“Começo talvez por congratular-me pelo teu percurso. É admirável. Tive a oportunidade de ler o teu livro “Os Filhos Não São Maus” e fiquei com um sabor português a Susanna Tamaro tão ou mais inquietante que o seu “Para uma voz só”.”
J.N.

“O Livro “Redes”. A mensagem é MARAVILHOSA! Adorei! O Amor… Sem ele, nada…”.
E.T.

Sentenças da Vida, um livro excelente. Parabéns.”
N.S.

“Parabéns pelo sucesso que está a obter. Não me enganei quando no princípio projectei isso mesmo.”
J.F.

“O teu livro Redes bem merece estar no coração de cada um de nós. Com a mensagem bem presente em cada dia e em cada gesto. Nunca desistas de me ensinar a transmitir as tuas ideias e o teu talento.”
S.G.

“Fico extremamente contente por paulatinamente te ires impondo nesse mundo cão que normalmente protege e apregoa os amigalhaços.”
J.C.

“És um sucesso. Só é pena seres oficial de justiça… e não rasgares de vez essa força interior que há em ti!”
E.L.

“Relativamente ao seu último livro, Os Filhos Não São Maus, é realmente mesmo muito bom e se um dos seus objectivos é trocar mensagens sobre valores fundamentais da vida, este livro (e só falo deste porque não conheço os outros) concretiza o que realizou. Parabéns!”
C.P.

É Tão Fácil Morrer um livro duro. Por vezes obsceno, tal como a vida. Por isso não nos pode deixar indiferentes e de braços cruzados.”
C.M.

A Lição do Rinoceronte, é uma linda lição de Amor.”
B.N.

“As pessoas começam a aperceber-se finalmente que é nas pequenas coisas que encontram a felicidade. Oferecer um livro (como A Lição do Rinoceronte) a uma criança é mais importante hoje do que em qualquer altura, porque infelizmente perderam-se os bons hábitos de leitura como forma educacional, cultural e de formação da criança que um dia irá ser adulto. Ainda bem Carlos que és tão persistente nestes objectivos e andas incansável até os atingires.”
C.C.

“Li o livro Sentenças da Vida e gostei em especial do jogo de palavras no início de cada novo caso. O livro é pequeno, muito pequeno, quando se chega ao fim apetecia que fosse maior.”
G.C.

Sentenças da Vida é um livro cativante apesar de ser um livro de realidades tristes.”
H.C.

O livro É Tão Fácil Morrer é um livro muito interessante devido à escrita intensa e à realidade ali transcrita.”
T.M.

“Fiquei surpreendido com as histórias contadas entre pais e filhos , no livro Os Filhos Não São Maus. É sem dúvida um livro que dá a conhecer a mudança da sociedade e de tudo o que a envolve. Fez-me estar desperto para muitos dos problemas que por vezes contacto, com pessoas que precisam de ser ajudadas.”
M.C.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Livro "Sentenças da Vida" merece mais uma excelente análise crítica





    

    O Livro "Sentenças da Vida" é, sem dúvida, um testemunho importante para se perceber a problemática das famílias e muito particularmente das crianças e jovens deste país, abusados, maltratados e abandonados. Isso mais uma vez é reflectido na crítica e análise publicada por duas psicólogas no blogue flamesmr.blogspot.com e que abaixo se transcreve.

 

Quinta-feira, 5 de Janeiro de 2012



   "O que nos moveu para a leitura de "Sentenças da Vida", foi o que vimos na contra-capa. De facto, lá refere-se que o autor (oficial de justiça) iria falar da sua experiência, contando-nos histórias reais, sem no entanto quebrar o sigilo profissional que tem de respeitar. E a verdade é que este tipo de histórias sempre nos despertaram atenção (não fossemos nós da área da Psicologia, que trata de alguns destes casos).

   Mas este, é um livro que vai mais além disso, e a verdade é que simplesmente não o conseguíamos pousar pelo que, em pouco tempo, o livro estava lido!

   O que mais nos impressionou, nem foram as histórias. Essas, infelizmente, começam a ser cada vez mais conhecidas pelo público em geral, graças à comunicação social... Não, o que nos impressionou mais neste livro foi a escrita cativante, e por vezes quase poética, do autor, que mesmo falando destes temas, conseguiu fazê-lo de uma forma límpida e bonita. Poderíamos pensar que devido à sua profissão, seria uma escrita mais objectiva e compacta, mas não. O autor, transformou um livro que relata histórias tristes (e reais!), num livro bonito de se ler.

    Uma outra coisa que nos agradou particularmente, foi o facto do autor nos colocar a reflectir sobre algumas questões importantes (ex. adopção, poder parental, etc.). Sendo desta área, tínhamos algumas opiniões previamente formadas, que se dissiparam (ou pelo menos, agora conseguimos colocar-nos num outro prisma) graças aos comentários pessoais que Carlos Santos Oliveira vai colocando enquanto relata as (des)aventuras de inúmeras personagens...

    Entretanto, gostaríamos de vos convidar a ir ao blogue do autor: Carlos Santos Oliveira - Ondas de Escrita que descobrimos enquanto procurávamos a foto para colocar neste post.

    Recomendamos a todos a leitura de "Sentenças da Vida". Não precisa de estar na área ou de entender algo sobre direito para ler. Prometemo-vos horas de reflexão e de boa leitura!

    O que nos moveu para a leitura de "Sentenças da Vida", foi o que vimos na contra-capa. De facto, lá refere-se que o autor (oficial de justiça) iria falar da sua experiência, contando-nos histórias reais, sem no entanto quebrar o sigilo profissional que tem de respeitar. E a verdade é que este tipo de histórias sempre nos despertaram atenção (não fossemos nós da área da Psicologia, que trata de alguns destes casos).
Mas este, é um livro que vai mais além disso, e a verdade é que simplesmente não o conseguíamos pousar pelo que, em pouco tempo, o livro estava lido!

     O que mais nos impressionou, nem foram as histórias. Essas, infelizmente, começam a ser cada vez mais conhecidas pelo público em geral, graças à comunicação social... Não, o que nos impressionou mais neste livro foi a escrita cativante, e por vezes quase poética, do autor, que mesmo falando destes temas, conseguiu fazê-lo de uma forma límpida e bonita. Poderíamos pensar que devido à sua profissão, seria uma escrita mais objectiva e compacta, mas não. O autor, transformou um livro que relata histórias tristes (e reais!), num livro bonito de se ler.

     Uma outra coisa que nos agradou particularmente, foi o facto do autor nos colocar a reflectir sobre algumas questões importantes (ex. adopção, poder parental, etc.). Sendo desta área, tínhamos algumas opiniões previamente formadas, que se dissiparam (ou pelo menos, agora conseguimos colocar-nos num outro prisma) graças aos comentários pessoais que Carlos Santos Oliveira vai colocando enquanto relata as (des)aventuras de inúmeras personagens...

      Entretanto, gostaríamos de vos convidar a ir ao blogue do autor: Carlos Santos Oliveira - Ondas de Escrita que descobrimos enquanto procurávamos a foto para colocar neste post.

      Recomendamos a todos a leitura de "Sentenças da Vida". Não precisa de estar na área ou de entender algo sobre direito para ler. Prometemo-vos horas de reflexão e de boa leitura!"

     Mariana e Roberta