terça-feira, 5 de novembro de 2013

TEMPO DE SOBREVIVER


Terça-feira, 5 de Novembro de 2013

"Números", de Carlos Santos Oliveira


Números

Os dias são tão repetitivos quanto a morte.

Número a número
as instituições somam algarismos,
tentando acertar com o quociente da vida
e ficam prenhas da dor,
de todas as crianças mortas,
pelas violações,
pelos maus-tratos,
pelo abandono,
pela fome,
pelo tiro à queima-roupa do ódio.

Número a número
o tribunal tenta subtrair da morte
os nascimentos errados,
resultados de uma matemática cruel,
onde o álcool,
a droga,
o instinto sexual
e a ausência de amor,
são valores superiores à raiz quadrada da vida.

Número a número
estas crianças sem sorte
vão subindo nos elevadores dos gráficos estatísticos
e descendo na hipotenusa da condição humana.

Número a número
se fazem as contas às tristezas,
sentimentos e emoções,
e vão aumentando nas crianças
a raiva,
a revolta,
a solidão,
o desespero,
valores que se vão multiplicando
na calculadora das suas consciências.

Número a número
estas crianças aprendem a tabuada da sobrevivência
e contam dedo a dedo
o muito pouco que são e o que têm
e os resultados são muito inferiores
aos das outras crianças.

Um a um
sentem-se apenas números
no balancete final
de uma sociedade sem valores.

in Redes (ZainaEditores, 2009)


Carlos Santos Oliveira nasceu na Chamusca (Ribatejo), onde durante alguns anos exerceu a profissão de jornalista. Desenvolveu ainda actividades como animador de rádio e actor. Viveu no Brasil, onde frequentou o curso de Línguas e Literatura Moderna e foi membro do Centro de Imigrantes Portugueses que realizava eventos de divulgação da cultura portuguesa. Bacharel em Comunicação, foi professor nos Açores e é actualmente oficial de justiça. Tem inúmeros textos publicados em vários jornais e alguns dos seus poemas fazem parte de colectâneas de poesia. Em 2008 publicou o romance É Tão Fácil Morrer, em 2009 o livro de poesia Redes e o livro de relatos Sentenças da Vida. No ano de 2010 publicou o livro infanto-juvenil A Lição do Rinoceronte, em 2011 o livro de estórias Os Filhos Não São Maus, em 2012 o livro O Peso das Gordas, em 2013 o livro infanto-juvenil Um Menino Feliz na Chamusca e em 2014 o livro/caderno cultural de poesia "No Sangue Corre-me o Tejo".

Esta página foi retirada do blogue tempoderecordar-edmartinho.blogspot.pt do Ilustre Cientista Português Eduardo João Martinho. Uma referência também a nível Mundial no que se refere ao desenvolvimento na área da Energia Nuclear. Este Homem teve ainda oportunidade de privar com o grande poeta Português António Gedeão e é referido pelo mesmo no seu livro de memórias. Por todo este manancial científico, social e cultural, ter um poema meu escolhido e publicado pelo Dr. Eduardo João Martinho, no seu blogue, é uma honra e um orgulho que agradeço com um abraço franco e SOLIDÁRIO.