quarta-feira, 30 de outubro de 2013

NÃO ENGANES O AMOR

NÃO ENGANES O AMOR

De que serve o teu corpo
nu e branco de lã
pintado sobre os lençóis,
como uma ovelha
acordando entre a manta 
de ervas húmidas
e verdejantes da manhã,
espreguiçando-se num quadro belo e artístico
mas de uma natureza morta sem sentimentos?

Não enganes o Amor
com a suculência madura dos teus seios,
o cheiro da tua pele
inebriada pela fragrância do desejo,
a lareira quente do teu sexo
onde arde a sedução.

Abre-te com carinho,
com os gestos simples
de quem despe o coração
e deita a alma das palavras
sobre o peito daquele que te ama.

Ele quer ficar contigo,
com a tua verdade humana,
e não com a boneca mecânica
programada para fabricar a ilusão.

Não ouses enganá-lo
com a cegueira do prazer,
porque o Amor é generoso
e é tão humilde e crente,
que a tua reles mentira
pode matá-lo de paixão.

                                            Chamusca, 30/10/2013