sexta-feira, 19 de maio de 2017

PROCURANDO O AMOR


Eu estava entre a multidão e todos acendíamos as sombras com as lâmpadas do coração, tentando encontrar o AMOR em qualquer beco escuro e abandonado da vida. E todos éramos poucos, porque mais não fazíamos que andar às voltas e nos encontrarmos novamente no princípio de tudo, no lugar de partida, fragilizados pelo cansaço emocional de nos acharmos com as mãos vazias.
Pelo caminho somente víamos sinais de violência, rastos de sangue pingado no pó das estradas, a mentira a espreitar às janelas, os espantalhos pregados na cruz das ruas para espantar a esperança dos homens.
Tínhamos os joelhos feridos de tanto cair, pois como cegos tínhamos perdido a visão da alma.
Enquanto o mundo explodia, a fome alastrava e o desespero gritava tão alto que atingia até os ouvidos do céu, eu e a multidão partíamos mais uma vez à procura de encontrar não apenas vãs palavras, usadas para seduzir, mas o sentimento do verdadeiro AMOR.
E, como mendigos, continuaremos até rasgar os pés nas pedras e nos espinhos dos caminhos. Até nos encontrarmos e vivermos de novo a essência do AMOR.

Foto da autoria de Maria Filipe.