sexta-feira, 25 de abril de 2014

SÓ OS CRAVOS SÃO LIVRES


SÓ OS CRAVOS SÃO LIVRES 

Foste tu
com os dedos engatilhados de paz
que disparaste uma rajada de pétalas
sobre o coração torturado de Portugal.
Jardineiro de farda
no esplendor da Primavera,
 floriste por entre as grades
com as mãos púrpuras,
imaculadas de Liberdade.
Se algum dia em Portugal
houve uma promessa de flores
e um cheiro de jardim
foste tu,
cravo encarnado,
que semeaste a esperança
na raiz do povo.

A tua alma,
terra lavrada,
mãos calejadas,
suor em bica,
espírito fraterno,
brotará eternamente
numa história intemporal,
na luta sem tréguas de ser Livre,
de ser Português.

                        (A SALGUEIRO MAIA, um HOMEM DE CONSCIÊNCIA LIVRE).
                                                                                                 Chamusca, 25/04/2014